SARAU VOADOR – Literatura e Improvisos Transcriados no Porto Verão Alegre 2021

 

SARAU VOADOR – Literatura e Improvisos Transcriados no Porto Verão Alegre 2021

Edição “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina”

 

Deborah Finocchiaro e Roger Lerina recebem Nei Lisboa no palco do Theatro São Pedro para gravação do evento sem público, que será transmitido nos dias 16, 17 e 18 de junho, às 20h, no site www.portoveraoalegre.com.br

 

 Nei Lisboa é um dos grandes nomes da música brasileira contemporânea. O cantor e compositor tem 11 discos lançados ao longo de mais de três décadas, além de já ter publicado dois livros.

 

O músico gaúcho é o homenageado da edição especial do Sarau Voador no Porto Verão Alegre 2021, batizada com o nome do antológico álbum de estreia de Nei: “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina”. Além dos anfitriões Deborah Finocchiaro e Roger Lerina recebendo Nei Lisboa no palco do Theatro São Pedro, o encontro contará também com a presença do artista visual Alexandre Carvalho fazendo sua pintura ao vivo.

 

O Sarau Voador “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina” será gravado sem público e transmitido nos dias 1617 e 18 de junho, às 20h, no site www.portoveraoalegre.com.br.

 

Sobre NEI LISBOA

A carreira artística do músico se inicia em 1979 com os espetáculos “Lado a Lado” e “Deu pra ti Anos 70”. O primeiro disco, “Pra Viajar no Cosmos Não Precisa Gasolina”, é uma produção independente de 1983. Em 1984, Nei lança seu segundo disco, “Noves Fora”, e ao final de 1986 assina contrato com a gravadora EMI-Odeon, que resultaria em dois discos: “Carecas da Jamaica”, de 1987, pelo qual recebe o Prêmio Sharp de revelação pop/rock, e “Hein?!”, lançado em 1988. Em 1990, lança o romance “Um Morto Pula a Janela” pela editora Artes & Ofícios, relançado pela editora Sulina em 1999, com uma tradução francesa editada pela L’Harmattan em 2000. Em 1993, grava ao vivo no Theatro São Pedro o disco “Amém”, reunindo canções próprias e clássicos da música popular uruguaia, acompanhado por nove músicos de ambos os países. Nei volta ao disco em 1998 embalado pelo sucesso de “Hi-Fi”, um apanhado de clássicos da música pop e do repertório folk que influenciou o seu início de carreira nos anos 1970.

 

Nos anos 2000

Nei Lisboa retoma a composição e “Cena Beatnik” é lançado em 2001. No ano seguinte, bandas e artistas gaúchos unem-se em um CD tributo, intitulado “Baladas do Bom Fim”, com releituras de 14 músicas do compositor. As canções de Nei participam da trilha de vários filmes gaúchos, como “Deu pra ti Anos 70”, “Verdes Anos” e “Houve uma Vez Dois Verões”. Em “Meu Tio Matou um Cara”, de Jorge Furtado, um dos principais temas é a canção “Pra te Lembrar”, na interpretação de Caetano Veloso – música que também faz parte do CD “Relógios de Sol”, lançado em julho de 2003. O disco “Translucidação” foi lançado ao final de 2006. Em 2007, volta à literatura, reunindo crônicas publicadas ao longo da década na imprensa gaúcha sob o título “É Foch!”, lançamento da editora L&PM, indicado ao Prêmio Açorianos de Literatura no ano seguinte.

 

Na última década

Nei revisita no palco o repertório de todas essas diferentes épocas com a turnê de “Vapor da Estação”, projeto contemplado pelo Programa Petrobras Cultural, que passou em 2010 por nove cidades brasileiras. Em 2013, lança o álbum “A Vida Inteira”. No ano de 2015, grava ao vivo em Porto Alegre o álbum “Telas, Tramas & Trapaças do Novo Mundo”, com patrocínio do projeto Natura Musical. No final de 2016, Nei Lisboa & Salvagni Big Band estreia em Porto Alegre, reunindo o cantor e compositor e a nascente SBB, uma formação de 17 músicos sob a batuta do maestro Gilberto Salvagni, em torno do repertório clássico das big bands norte-americanas dos anos 1930 e 1940. Nei abre 2017 com a oitava edição de sua temporada de verão do show “NeilisPoa” no Theatro São Pedro e segue ao longo do ano mostrando seu trabalho autoral, com apresentações por todo o Estado, além de Belém do Pará, Brasília e Curitiba, dentro da nona edição do projeto Série Solo, nos teatros da Caixa Cultural.

  

Sobre o SARAU VOADOR

Versátil e itinerante, o Sarau Voador – Literatura e Improvisos Transcriados reúne diferentes manifestações artísticas em um encontro marcado pela liberdade criativa, pela colaboração e pela transposição de linguagens. Contando sempre com convidados, o evento compartilha com o público os diversos olhares e leituras sobre um determinado tema, obra ou criador. Uma construção conjunta e participativa entre anfitriões, convidados e plateia, como no lema do sarau: “Junta todo mundo que é pro mundo melhorar”.

 

Desde março de 2018, foram realizadas em média duas edições por mês, em diferentes espaços culturais da capital gaúcha, além de algumas cidades do interior do Estado e em Fortaleza (CE).

Durante este período de distanciamento social, foram realizadas três lives – para relembrar e celebrar as 30 edições presenciais – e quatro edições virtuais reunindo diferentes temas e convidados. No dia 30 de abril, estreou o programa de rádio/podcast “Estação Sarau Voador”, que vai ao ar toda última sexta-feira do mês na rádio e TV web Estação Democracia (http://www.estacaodemocracia.com), ficando disponível também no YouTube Sarau Voador e no Spotify do Sarau Voador.

 

FICHA TÉCNICA

Apresentação e Curadoria: Deborah Finocchiaro e Roger Lerina
Pintura ao Vivo: Alexandre Carvalho
Produção: Debora Bregalda
Assessoria de Imprensa: Grazieli Binkowski
Social Media: Gabrielle Gazapina
Captação e Edição de Imagens: Priscila Luz
Hino do Sarau (canção “Todo Mundo pro Mundo”): Laura Finocchiaro
Coordenação de Produção e Direção Geral: Deborah Finocchiaro
Parceria Cultural: Site Roger Lerina, Tomo Editorial e Festipoa Literária
Realização: Companhia de Solos & Bem Acompanhados

 

Crédito da foto: ©Roberta Amaral

Compartilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn