POR QUAL MOTIVO TRABALHAMOS TANTO?

 

POR QUAL MOTIVO TRABALHAMOS TANTO?

 

Outro dia, eu estava lendo um livro que relatava que a semana de trabalho de quarenta horas foi inventada há menos de oitenta anos nos Estados Unidos. Será que a restrição foi criada porque os americanos trabalhavam muito mais do que quarenta horas por semana? Será que foi por isso que o pagamento de horas-extras foi inventado? Para que um controle maior fosse exercido pelas empresas perante seus funcionários?

 

Por qual motivo trabalhamos tanto? Estamos mais felizes no trabalho do que em casa com nossa familia? Ou trabalhamos tanto para termos momentos mais felizes com nossos familiares depois do trabalho? Será que nascemos principalmente para trabalhar? Quando iremos aproveitar a vida? Vivemos em um círculo vicioso?

 

Pois bem, vamos aproveitar o embalo de questionamentos e pensar em qual vinho gostaríamos de estar bebendo. Mudança de planos drástica em minha coluna desta semana, para ajudar a aproveitarmos um pouco mais as coisas boas da vida!

 

Então, eu pergunto: qual vinho você gostaria de estar bebendo neste exato momento? Seria um vinho antigo de Bordeaux, um Borgonha premiado, um vinho tinto ou espumante do novo mundo, um Gravner laranja ou um vinho branco chileno de regiões frias? Talvez um vinho desconhecido? Quem sabe até mesmo uma indicação de novidade nunca antes provada?

 

Neste exato momento, eu gostaria de estar bebendo um Cerchio Cabernet Sauvignon Reserva elaborado pela Vinícola Pizzato de safra 2017. Lojistas e importadores passam anos trabalhando em busca das melhores opções de custo versus benefício, buscam novidades e pérolas no mundo do vinho que possam ser facilmente comercializadas e degustadas. Novamente estamos falando de trabalho! Mas escolher o vinho certo dá muito trabalho.

 

Pois bem, este vinho é um verdadeiro tinto brasileiro elaborado a partir de parcelas de uvas cabernet sauvignon de terroirs distintos. O contra-rótulo envolvente não indica claramente as regiões, seria segredo? Considerando que a assemblage esta muito bem elaborada, pouco importam os percentuais e locais. O nome traduzido lembra a palavra círculo em português e faz referência as aduelas que abraçam e montam as barricas de carvalho aonde o vinho envelheceu. O que vale mesmo é a sensação de taninos marcantes, um tinto de cor escura, notas de frutas maduras, morango, especiarias, couro e um diferencial de sensações em boca, com longo final persistente.

 

Quebre o círculo vicioso, pare de trabalhar tanto e abra um Cerchio!

 

Compartilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn